O Javascript do seu navegador está desativado, você poderá ter problemas.

Colégio Humboldt

Nossa História

  • O encontro de um grupo de alemães, em 1916, na Padaria Lindau, no Largo 13 de Maio, deu início à ideia de fundar uma sociedade escolar alemã. Eles queriam oferecer uma escola aos seus filhos na qual pudessem aprender a ler e escrever em alemão, recebendo uma educação dentro dos moldes da Alemanha. Ainda no mesmo dia, designou-se uma diretoria provisória da sociedade.

    A escola desenvolveu-se rapidamente e logo contava com 41 alunos. As aulas iniciaram-se em 01/05/1916. Com a Primeira Guerra Mundial, em 1917, o Colégio foi fechado, sendo reaberto quatro anos depois, em 1921, reiniciando com 15 alunos. Em 1927, o número de alunos tinha subido para 60.

  • Devido ao número crescente de alunos, em 1927, o Sr. Heinrich Grassmann doou à sociedade um terreno situado na Ladeira da Matriz, 204, financiando a construção do primeiro prédio em terreno próprio. No ano seguinte, o terreno adjacente foi adquirido, resultando em uma área total de 1.700m². Em 1931, a escola contava com, exatamente, 100 alunos em oito séries diferentes. A escola tornou-se o centro de todas as atividades culturais da colônia alemã de Santo Amaro.

  • Com a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em 1942, as portas da escola foram fechadas novamente e todo o patrimônio foi confiscado pelo governo. Ao final da segunda guerra mundial, a Sociedade Escolar Alemã praticamente não existia mais. Suas propriedades estavam sob a guarda de uma curadora, a antiga professora de português, D.Carlota. O terreno e os prédios serviram para os mais diversos fins, seja formação de recrutas das Forças Armadas, seja para cursos de corte e costura para meninas. Uma luta jurídica de mais de dez anos foi iniciada após o término da guerra, em 1945.

  • Em 1955, os bens foram devolvidos à Sociedade Escolar Barão do Rio Branco, infelizmente em estado deplorável. Depois de uma grande reforma, as atividades escolares reiniciaram-se em 1957. Em 1958, iniciou-se o 5º ano e a Escola contava com 150 alunos. Sem nenhuma ajuda de terceiros, a pequena escola foi crescendo com o apoio dos pais que tinham interesse na educação de seus filhos. Em 1959, o Colégio contava com 210 alunos, 7 salas e 11 professores. Nesse ano, a escola conseguiu autorização do governo para acrescentar, ao Ensino Primário e Curso de Admissão, o Ensino Ginasial. A “Escola Barão do Rio Branco” passou a chamar-se Ginásio Humboldt, em homenagem aos irmãos Alexander (cientista) e Wilhelm (humanista) von Humboldt. Com a introdução do Ensino Médio, em 1966, passou a chamar-se Colégio Humboldt. O Colégio tinha atingido seu objetivo e fixado seu lugar na sociedade.

  • Com grande esforço e uma campanha de donativos entre todos os pais e as empresas alemãs foram comprados mais 2.597 m². A República Federal da Alemanha ajudou, pela primeira vez, no financiamento de novos prédios. Em 1979, foram introduzidas as classes comerciais. Após a conclusão da 8ª série, os alunos podiam optar por esses cursos, possuindo o direito de ingressar nas faculdades ao passar no vestibular. Nessa época, o Colégio contava com 75 professores, sendo 7 da Alemanha e 1 da Áustria.

  • Os cursos profissionalizantes em nível de ensino pós-médio iniciaram-se em 1982 e, hoje, são chamados de cursos do DUAL (Instituto de Formação Profissional Administrativa). Em março de 1983, o prédio novo foi inaugurado abrigando 18 salas, laboratórios modelos, sala de arte, biblioteca e um auditório para 240 pessoas. A expansão do Colégio continuou até 1986. Em 1987, os membros da Sociedade Escolar Barão do Rio Branco decidiram sair do centro de Santo Amaro, procurando um local em zona mais tranquila. Foi encontrado um terreno na Rua Zike Tuma com 49.000 m². Em 1989, adicionou-se ao terreno da Zike Tuma um terreno vizinho com 8.000 m² e, em 1990, outro de 3.000 m². Alcançou-se, assim, naquele endereço, 60.000 m² para as instalações do futuro Novo Colégio Humboldt.

    Com o projeto do novo colégio concluído, iniciou-se o processo de pedido de subvenção de obras para a República Federal da Alemanha. Em 1992, o pedido foi enviado e, a seguir, o projeto foi adaptado a diversas exigências alemãs e brasileiras. Somente em 1995 o processo estava concluído e autorizado pelas autoridades de ambos os países. Devido à degradação do bairro da Rua Zike Tuma, a diretoria da sociedade resolveu procurar outro terreno, que foi encontrado, pelo então presidente, em Interlagos, com 61.000 m².

  • Todo o projeto foi adaptado ao novo terreno e, com o apoio da República Federal da Alemanha, as obras puderam ser iniciadas em 1998. Em setembro de 1999, os alunos tiveram seu primeiro dia de aula nas novas dependências, encontrando amplo espaço e prédios modernos.

  • Em 2002, os projetos pedagógico-educacionais na área de Artes centraram-se no espaço cultural que estava sendo construído. A 4ª série fez trabalhos de tapeçaria, a 6ª e a 7ª séries desenvolveram o projeto de ícones de identificação dos novos espaços, a 8ª série pintou azulejos para a lanchonete e o Abitur criou um móbile que ficou no Foyer do Teatro.

  • O Teatro Humboldt foi inaugurado em março de 2003 e, a partir daí, ele passou a ter, na sua programação cultural, além das inúmeras e preciosas atividades teatrais, musicais e artísticas preparadas pelos alunos, formaturas, encontros com pais etc., uma programação infanto-juvenil sistemática para o público em geral. O espaço também pode ser alugado para eventos externos. Uma vez encerrada a construção do Teatro Humboldt, as atenções voltaram-se para o Ginásio Poliesportivo, cujas obras iniciaram-se em dezembro de 2003.

    No dia 11 de junho de 2005, o ginásio coberto foi inaugurado com uma belíssima cerimônia, presidida pelo então Embaixador da República Federal da Alemanha. Desde então, é um espaço intensamente utilizado por professores e alunos. Além disso, há jogos realizados por pais, ex-alunos e funcionários.

  • Em 2006, os noventa anos do Colégio Humboldt foram festejados durante todo o ano. Foram criadas as figuras de Alex (Alexander von Humboldt) e Willi (Wilhelm von Humboldt) para acompanhar as crianças nas pesquisas sobre a história do Colégio, uma linha do tempo, comparando a história da Escola com a história do Brasil e do mundo, uma exposição fotográfica do desenvolvimento do Colégio, um workshop de fotografia sobre a escola nos dias de hoje para fazer o calendário do ano seguinte e, por fim, o fechamento solene das festividades e a inauguração da galeria permanente Memória Humboldt.

    2009 foi o ano de se comemorar os 10 anos do Colégio Humboldt no seu novo endereço em Interlagos. No mesmo ano, o Colégio passou pela primeira inspeção do governo alemão, que certificou o Colégio Humboldt como Escola Alemã de Excelência no Exterior.​

    Em 2010 foram concluídas as últimas obras que completaram o projeto original do Novo Colégio Humboldt. As tão esperadas piscinas, semi-olímpica e infantil com vestiários, além de mais uma sala de ginástica e mais duas salas de aula para a Educação Infantil foram entregues à comunidade escolar.

  • Em 2012, foi lançado o Projeto EcoHumboldt, que consiste em sensibilizar e educar os alunos, para questões ecológicas e, principalmente, de sustentabilidade. O tema foi trabalhado de forma transversal desde a Educação Infantil até os alunos do Abitur. Lixeiras para separação dos resíduos de forma adequada também foram instaladas nas dependências do Colégio, lixeiras essas que também são resultado da reutilização de materiais. As atividades se desenvolvem no sentido de não apenas reciclar, mas principalmente reduzir e reutilizar recursos.

    No ano de 2013, o Colégio Humboldt iniciou um programa de educação para o trânsito, o AutoHumboldt, que tem como objetivo conscientizar cada pessoa para o fato de que todos somos fundamentais no trânsito. A intenção do programa é educar nossos alunos tornando-os inicialmente pedestres mais conscientes, ciclistas mais prudentes e, no futuro, melhores motoristas.

  • Em setembro de 2014, o Colégio Humboldt completou 15 anos no bairro de Interlagos. Neste mesmo ano, introduziu-se o projeto Bili (Integração Curricular Português – Alemão) no Jardim I. Trata-se do início da aprendizagem bilíngue com 2 professoras em sala de aula,  uma delas como referência na língua alemã e a outra, brasileira. Ainda em 2014, tendo passado pela segunda inspeção do governo alemão, conquistou a renovação do Selo de Certificação de Escola Alemã de Excelência no Exterior.

     

    O espaço do Jardim I foi entregue aos alunos no primeiro dia letivo de 2015, após um ano de obras e reformas para ampliação e melhorias do ambiente. O ano também se inicia com um grande tema de preocupação nacional – o uso racional da água. A questão está em pauta junto à direção pedagógica e administrativa, assim como será trabalhado em sala de aula, envolvendo os alunos no processo de decisão e sugestão de propostas para o uso adequado desse recurso cada vez mais escasso.